domingo, 18 de fevereiro de 2018

Oficina de escrita

Descrição de uma paisagem




Encontrava-me num dos areais da Câmara de Lobos, na ilha da Madeira. O azul enchia-me a vista e o mar convidava a um mergulho.

Em primeiro plano, avistava águas calmas, reluzentes e translúcidas que me transmitiam tranquilidade, paz e felicidade. Pequenas embarcações repousavam, suavemente embaladas pela doce brisa marítima.

Mais ao fundo, à direita, elevava-se um promontório de altas rochas castanhas, escarpadas e nuas, mas fortes como os maiores conquistadores, que contrastavam com o azulado do oceano. No topo, erguia-se um majestoso e imponente farol, único meio de iluminação e vigilância daquela imensidão nas noites frias e escuras de Inverno, que parecia chamar-me para a aventura.

Por cima de tudo, surgia um céu da cor do mar e onde nuvens brancas e traquinas pareciam neve fofa ou fios de algodão doce.

Sentia-me aconchegado, feliz e tranquilo no reconforto desta paisagem marítima.



Texto elaborado coletivamente pelos alunos do 5.ºA

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Oficina de escrita

Retrato



Gilberto estava a viver em casa da sua tia na rua do Bem-estar. Nascera em Espanha, mas já estava a aprender a falar português, embora com alguma dificuldade.

Tinha cabelo preto, curto e uma franja sempre despenteada. Seus olhos eram castanhos como terra e seu nariz arrebitado. Os seus lábios grandes e vermelhos pareciam estar sempre sorridentes no rosto triangular e moreno.

Usava camisola verde-clara com risquinhas verde-escuras como um campo verdejante, contrastando com as calças de cinzento azulado lembrando a cor do céu nos dias de chuva.

Gilberto era jovem, de estatura média, frágil e elegante. Aparentava sempre um ar um pouco estranho, embora arranjado.

Ele era calmo, bem-humorado, tímido, sério, pensativo, ligeiramente desajeitado e lento como um caracol. Na verdade, tinha muitas qualidades, pois todos o consideravam um rapazinho educado, delicado, corajoso, solidário, generoso e responsável.

O seu único defeito era ser teimoso!

                                                                      
Marta Heleno n.º 15, 5.ºA
                                                                                                                    Xavier Pereira n.º 22, 5.º A

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Oficina de escrita

Retrato






Josefino era um homem idoso com cerca de 79 anos. Todo o seu ser refletia os traços do envelhecimento e de uma vida sofrida e dura.

O seu cabelo era curto, tinha um rosto triangular, uns grandes olhos, um nariz pontiagudo e uma boca carnuda.

Josefino era um homem educado e calmo, o seu único defeito era ser esquecido. Apesar da sua idade, nada o impedia de desfrutar do prazer da leitura, mesmo com o seu problema de visão. Todos os dias de manhã ia buscar o seu jornal favorito, o Diário de Notícias.

A gentileza e a meiguice sobressaíam da sua personalidade.



Inês Vieira n.º 7, 5.ºA

João Silva n.º 8, 5.ºA

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Oficina de escrita



Ascensão e Diana




Ia eu a passear pela rua quando avistei duas mulheres…

Uma era idosa e trazia na cabeça um belo lenço, tão belo como as folhagens que caem no outono e como as ondas do mar que batem nas rochas e, lentamente, se vão desmoronando.

Tinha os olhos semifechados como duas lantejoulas cortadas ao meio. O seu nariz era bastante saliente e a sua boca carnuda era mais rosada do que vermelha. O seu rosto era oval e enrugado como a areia no fundo dos oceanos. Vestia uma camisa aos losangos com botões vermelhos e, por cima, trazia uma casaca cinzenta com as mangas arregaçadas e que procurava apertar com a sua mão enrugada. Ao seu lado, encontrava-se a sua neta Diana, de nove anos. Tinha cabelo escuro e liso. Seus olhos eram expressivos e tinha o nariz achatado. A sua boca era fina e esboçava um sorriso. Vestia um camisolão amarelo com uma bonita gola. Com o peito encostado aos grandes seios da avó, denotava estar muito atenta.

Pela conversa entre a idosa e o padeiro daquela região, percebi que o seu nome era Ascensão. Que nome tão antigo era aquele! Parecia lembrar as pombas a voar no cimo das nuvens em grande harmonia! Todavia, Ascensão transmitia um olhar agressivo e simultaneamente defensivo. A sua neta Diana, pelo contrário, parecia pacífica.

Apesar de todas as impressões resultantes da expressividade das suas feições, Diana e Ascensão eram muito amorosas uma para com outra, pois davam-se muito bem, o que, hoje em dia, é raro acontecer.

Adriana Gomes Dias, n.º 1, 5.ºA

Afonso Heleno Guilherme Simões, n.º 2, 5.ºA